Eventos Sócio Culturais

Evento Sócio Cultural – Praça Alexandre Moreira Neto

By 7 de fevereiro de 2020 fevereiro 11th, 2020 2 Comments

REGISTRO HISTÓRICO

SANTO AMARO UNIDO

Ainda a Inauguração da

Nossa Praça Cívica

Alexandre Moreira Neto

 

I- Reflexão Inicial

  1. No texto, publicado no dia 14 de janeiro, destacamos algumas informações, sobre a nova dinâmica de nossa Praça Cívica, esperando que algum cronista as contemplasse.

Entretanto, a pedidos, expomos, aqui, alguns acréscimos oportunos para registro e maior glória do evento, alegria de todos e memória do acontecimento.

A Praça é um espaço social e de entretenimento.

Pode ser também um espaço cívico e cultural.

Este é um espaço bonito, por natureza!

Ali teve início um novo ideário para o espaço público.

Alguns aspectos do evento merecem mais atenção, sem dúvida.

O que ali aconteceu, poucos entenderam, além de um fato rotineiro!… Mas foi um ato que já tem história.

 

  1. Podemos dizer que a inauguração da Praça contou com a cooperação de muita gente da comunidade.

Foi uma festa comunitária, uma festa de famílias estendida, como passamos a demonstrar.

Obra de muitos!

Queremos que a Praça se transforme num espaço educativo, além de ser um espaço de entretenimento e de natureza exuberante.

Neste relato queremos dar realce à comunidade e às famílias presentes.

Nunca esqueçamos a frase do poeta:

“A Praça é do povo, como o céu é do condor!”

Aos poucos vamos ver o despertar de um novo tempo, em Santo Amaro, em São Paulo.

São Paulo merece!

 

II- Plantio de 12 Ipês

 

  1. A plantação dos 12 (doze) ipês foi sugestão criativa do presidente do Hilasa (J.J. Peralta), em reunião oficial da organização do evento, realizada no CCSA.

Ele mesmo cuidou da compra, feita por Gabriel e Paulo, seus filhos, em viveiros diferentes.

Faz bem a cooperação dos companheiros…

O presidente do Hilasa doou as mudas de ipê à Prefeitura, ao público. Também coordenou e supervisionou a plantação, para superar o fato de o terreno da praça ser alagadiço!

Ainda participaram do plantio alguns escoteiros e dois funcionários da Prefeitura.

Resta outras providências da Prefeitura, para resolver o problema do escoamento da água, cuidado de permeabilidade do solo.

Caso o problema não seja resolvido, perdem-se os ipês e então alguém deveria responder por isso.

Santo Amaro todo vai estar de olho nos ipês-amarelos, roxo e rosa!

 

III- Desfile de Bandeiras

  1. O Hilasa/Edubraz (J. J. Peralta) além de propor o desfile, emprestou as bandeiras, da Edubraz, com seus mastros (Bandeira do Brasil, de São Paulo – Estado e de São Paulo – Município). Outros trouxeram as bandeiras de suas instituições.

O Hilasa emprestou um quarto mastro, que foi utilizado por outra bandeira da comunidade (CIESP).

 

  1. A bandeira do Brasil não foi portada pelo presidente do Hilasa, como seria normal, por deferência do presidente, para com um companheiro do Hilasa, Roberto Costa Ferreira, que merece tal homenagem, por sua dedicação.

Então as bandeiras do Brasil, Estado e Município, de propriedade da Edubraz, foram portadas por Roberto C. Ferreira, J. Peralta e Armando Fernandes, representando a diretoria do Hilasa e toda a comunidade, com muita honra!

De antemão agradecemos aos nossos amigos, à sociedade Santamarense, pelo apoio de sempre.

Muitos deram elogios rasgados e merecidos ao evento do dia 13.

Foi considerado, por unanimidade um evento admirável, em nosso rincão, marcando a nossa consciência cidadã!

Alguns solicitaram alguns esclarecimentos a mais, que passamos a informar.

 

  1. No desfile cívico, destacou-se também o grupo dos Romeiros do Bom Jesus de Pirapora, sob a direção da Sra. Karina Araújo, com seus estandartes solenes.

 

  1. O Diretor-Superintendente da Associação Comercial de São Paulo, Distrital Sul, Antônio da Silva Souza, portou a bandeira da ACSP.

O Sr. José Carlos Bruno portou a bandeira do CETRASA.

A Sra. Rosely Ugolini portou a bandeira do CIESP.

 

 

 

IV- Exposição de Arte

 

  1. Foi feita, na Praça Cívica, a primeira exposição de arte, com seis quadros, do nosso artista, Algacyr, presente ao evento.

A Edubraz-Hilasa emprestou 2 (dois) quadros. (da família Peralta)

Maria do Carmo emprestou 02 (dois) quadros.

A Dr. Cidinha emprestou 01 (um) quadro.

O Cetrasa emprestou 01 (um) quadro. (da família Bruno)

 

V- A Pomba da Paz

  1. Foi programada a soltura de uma pomba branca da paz, mas esta parte não foi possível viabilizá-la. Ficou a ideia.

A proposta foi  do presidente do Hilasa.

 

VI- Outros Créditos

 

  1. O Cetrasa, emprestou o CD, com o Hino Nacional, e também se encarregou da confecção da placa, com o nome da Praça: Alexandre Moreira Neto.
  2. A proposta de tocar o Hino Nacional foi do HILASA.
  3. Enfim, uns mais, outros menos, este evento é obra de muitos, até dos que apenas deram a graça de sua presença, contribuindo para dar mais brilho aos acontecimentos. Foi uma cerimônia bem concorrida e muito animada.

Pessoas importantes fizeram questão de fazer o plantio de um dos ipês, tais como: Vereador Ricardo Nunes; Karina Araújo, das Romarias; J. Peralta, do Hilasa; Andréa, do CCSA; J. Bruno, do Cetrasa; e outros que não pudemos registrar.

 

VII- Outras Presenças Notáveis

A sra. Lúcia, viúva de Alexandre, Drª. Cidinha, e as Diretorias do Cetrasa e do Hilasa, marcaram sua presença prestimosa.

Lá estava a Família Ugolini, a Família Peralta, a Família Costa Ferreira, a Família Bruno, a Família Antônio Sousa, a Família Moreira, a Família Nunes, e muitas mais.

A Sra. Janaína Lopes, Subprefeita de Santo Amaro, participou ativamente de toda a cerimônia.

A Coordenação Geral do evento foi realizada por Andrea de Sousa, diretoria do CCSA – Centro Cultural de Santo Amaro.

O Sr. Ricardo Nunes, vereador, foi o proponente do nome da Praça, atribuído a Alexandre Moreira Neto.

     A Sra. Lúcia Moreira, viúva de Alexandre, Dra. Cidinha e as diretorias do Cetrasa e do Hilasa, marcaram presença prestimosas.

Alguns assessores de Ricardo Nunes também estiverem presentes.

Esteve presente também a imprensa local, com destaque para a Revista Em Sintonia, de Débora Copic, e seu filho com seu drone.

Muitas outras pessoas estiveram presentes. Impossível citar todos. Certamente serão citados em outros relatos do evento.

Algo ficou faltando nesta crônica, porque o seu autor esteve muito ocupado durante todo o acontecimento.

A todos agradecemos pela presença.

Juntos nos congratulamos com o evento.

 

VIII- Presença da Vizinhança

 

É de se notar ainda a presença de famílias, moradores na vizinhança da praça.

Notável uma mãe, entre outras, com sua filha, (talvez de 5  anos?), que observava, atenta, o plantio de árvores.

Queria ver tudo bem de perto, enquanto a mãe falava com ela, dando explicações.

Seus olhos brilhavam de alegria e de curiosidade.

Certamente, ela nunca tinha visto plantar uma árvore e isto a intrigava e iluminava.

Ela sabia olhar a natureza e ver o seu encanto…

A atenção com que a menina observava tudo, me deu a ideia que essa menina terá um futuro brilhante, atuando pela natureza e pelo bem-comum, se receber uma educação solidária. Penso que esta Praça Cívica fará parte de sua vida criativa.

Não sei o nome da menina e nem da mãe, mas Deus sabe. Ele é quem ilumina…

Então estamos fazendo história viva…

Parabéns à mãe, que tudo explicava à sua filha, num belo ato educativo e maternal.

 

IX- Presença dos Escoteiros

 

  1. Da presença e atuação exemplar dos escoteiros, falarei em outra postagem.

 

X- Conclusão

  1. Embora haja muito mais a acrescentar, aqui damos por finalizada a nossa tarefa de analista e de cronista do evento (ad boc). Isto não é uma ata.

Penso que agora, o texto do dia 14 está mais completo, posto que ainda incompleto.

Que outros façam os próprios relatos fiéis, e sem distorções e tudo ficará a contento, respeitando os créditos de cada um.

Este dia fez história.

Daqui sai um Santo Amaro mais paulista, mais solidário e mais brasileiro.

XI- Notas Finais

  • Esperamos que isto não seja apenas fogo de palha, e que sejam cuidadas as árvores plantadas e se dê à praça o destino social que merece.
  • Que se vão os eternos profanadores dos espaços públicos e se voltem para melhorar os nossos parques e praças.
  • Outras festas poderão ter lugar na nossa Praça Cívica. O tempo é o Senhor da história. Cada um faça a sua parte, no tempo certo e oportuno e a nossa cidade, São Paulo, poderá ficar muito mais atraente e saudável.

Enfim, com alegria, registramos um fato promissor:

Nesta inauguração, sentimos o calor das organizações cívico-sociais de Santo Amaro.

Foi belo ver o espírito de participação, de solidariedade e de cooperação de todos.

Ninguém se omitiu.

O espírito de Servir uniu a todos.

Até o céu nos presenteou, com um dia de sol, um dia bonito e saudável; um dia de alegria compartilhada.

 

Participe sempre!

 

São Paulo, 15 de Janeiro de 2020.

Dia de Santo Amaro, Abade, Padroeiro de nosso rincão.

Prof. Dr. José Jorge Peralta.

 

2 Comments

Leave a Reply